Crianças com e sem autismo têm mesmo desempenho em teste | 30/4/2013 Imprimir E-mail
Notícias - Notícias

 

Dissertação de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica do IPUSP realizou a versão Infantil, traduzida, do teste “Ler a Mente nos Olhos”, de Simon Baron-Cohen em um grupo de 454 crianças de 6 a 13 anos.

olhos3-1

A pesquisa feita por Melanie Mendoza, e orientada pelo professor Francisco Baptista Assumpção Junior, contou com o acompanhamento de 434 crianças de dois estados brasileiros - São Paulo e Santa Catarina - cursando o ensino fundamental, e com uma amostra clínica - composta por 20 crianças diagnosticadas com Transtornos do Espectro do Autismo.

Segundo estudo de Baron-Cohen, com Leslie e Frith, crianças autistas - em comparação com crianças normais - teriam dificuldade em atribuir estados mentais e emoções a outros indivíduos e compreender que esses poderiam possuir perspectivas diferentes das delas. Tal déficit foi definido como uma dificuldade na elaboração de uma Teoria da Mente.

Originalmente, o teste “Ler a Mente nos Olhos”, em sua versão infantil, foi realizado em 2001, também por Baron Cohen e outros especialistas, com 15 crianças diagnosticadas com Síndrome de Asperger, e 103 de um grupo controle. Nesta pesquisa foram encontradas diferenças significativas entre os dois grupos. Os autores informaram que as crianças com a síndrome residiam na escola especializada, o que refletia a gravidade do transtorno.

Ler_a_Mente_nos_Olhos4Ler_a_Mente_nos_Olhos2Mas, a pesquisadora, ao realizar tal experimento com este grupo de crianças autistas brasileiras, não encontrou distinção nos resultados, ao compará-los com os do grupo controle: “Eu imaginava encontrar diferenças e eu não encontrei. Pelo menos nessa tarefa [o eyes-test] eles foram quase iguais”, afirma. Uma das possíveis explicações para esse resultado é o fato de o teste, do ponto de vista psicométrico, não ter sido bem construído. Além disso, Melanie Mendoza comenta acerca da grande gama de sintomas na população de autistas e sobre a dificuldade de encontrar uma explicação cognitiva para o transtorno em questão: “O autista tem uma série de comportamentos, mas é difícil conseguir enxugá-los e resumi-los” e declara: “A gente usa as escalas como um suporte, mas o diagnóstico do autismo é muito clínico ainda”.

Divergências relevantes nos resultados foram encontradas apenas entre as médias de acordo com o critério ano cronológico e, principalmente, escolar: as crianças mais velhas e com maior escolaridade obtiveram mais acertos no teste. Segundo Melanie, isso pode ter relação com as habilidades verbais, porque a criança precisava fazer um pareamento entre uma imagem - que representava uma emoção – com o nome que correspondia a esse estado mental.

A pesquisadora explicou que os autistas estudados possuíam um bom desenvolvimento verbal, e que, talvez, esse fator pudesse ser o responsável pelo desempenho dos mesmos. Mas também esclareceu a importância dessa característica para a realização do experimento: “Em um autista que não tem linguagem desenvolvida direito, eu nem consigo aplicar meu teste”.

Para o doutorado, Melanie Mendoza pensa em reformular o teste, construindo um novo instrumento para avaliar a presença deste déficit em autistas.

Por Fernanda Guimarães Maranha

Edição e revisão, por Islaine Maciel 


IP Comunica | Serviço de Apoio Institucional

Av. Prof. Mello Moraes, 1721 - sala 26 - Cidade Universitária - São Paulo, SP

Telefone: 3091-4178 -    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.   www.facebook.com/IPUSP

 


Instituto de Psicologia da USP

Av. Prof. Mello Moraes 1721
CEP 05508-030
Cidade Universitária - São Paulo - SP

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.