Debate + Lançamento do livro "Reinvenção da Intimidade", do Prof. Christian Dunker | 17/8/2017, 12h30 Imprimir E-mail
Notícias - Eventos

lancto livro intimidades elaboradas 1 2017 08 07175705
Uma senhora perambula pelas ruas de uma Hamburgo completamente devastada pela guerra à procura do que restou de seus pertences. É com essa cena que somos apresentados ao novo livro do psicanalista Christian Dunker, Reinvenção da intimidade: políticas do sofrimento cotidiano.  Em sua busca por resquícios de uma vida aniquilada pelos bombardeios e pelo que veio depois deles, a mulher encontra a devastação de uma cidade que já havia considerado sua e que agora é um conjunto de coisas: ruas sem placas, prédios se equilibrando em alicerces frágeis e outras pessoas que, como ela, caminhavam a esmo na tentativa de reconstruir sentidos aniquilados. 

.

O livro é uma compilação de textos publicados ao longo de 26 anos de reflexão sobre o que temos de mais íntimo (e o que, afinal, é a matéria-prima do trabalho psicanalítico) – o sofrimento. A analogia se anuncia por meio da errância de alguém que busca reconstruir uma narrativa. Trata-se da fragmentação da experiência, das narrativas que suportam afetos e constantes mutações políticas e sociais que se impõem na contemporaneidade, impactando e configurando novas gramáticas de reconhecimento e formas do sentir. 

.

A princípio seria possível pensar que dificilmente textos publicados ao longo de mais de duas décadas de reflexão a partir da clínica psicanalítica formariam algo que não uma massa difusa, sem qualquer unidade. Certamente não é o caso de Reinvenção da intimidade. É justamente na insistência em costurar o que há de mais cotidiano e comum em nossas experiências com os movimentos históricos e normatividades – que engendram experiências – que Dunker produz um movimento capaz de jogar luz no que antes poderia se assemelhar às sombras de experiências (e vidas) fragmentadas como nos escombros de uma cidade. É por meio desse movimento textual que o autor desdobra o cotidiano em análises de fôlego, em que noções como sofrimento e intimidade ganham gravidade teórica.

.

Os artigos versam sobre variadas apresentações de sofrimentos e seus modos de reconhecimento e tratamento. Dunker fala de solidão, desencontros amorosos de casais, indiferença que permeia o sexo, cuidados parentais e seus descontroles, reivindicações e denúncias onipresentes na internet e nossa renitente crença no Papai Noel e nas promessas de ano novo. No entanto, é na insistência em fazer esses afetos trabalharem não somente em sua dimensão de vivências cotidianas, mas também de seus desdobramentos históricos e epistemológicos, bem como na fineza clínica, que o autor confere ao livro uma interessante unidade, ao tecer repetições que convocam o leitor a pensar sobre sua experiência cotidiana. Como lembra Dunker, Freud “pode nos remeter a uma psicopatologia a partir da vida cotidiana, ou seja, como a vida cotidiana pode nos fazer sofrer, produzindo estados aflitivos ou conflitivos continuados, que terminam por formar sintomas”.

.

É a partir da premissa de que “o sofrimento requer e propaga uma política” que o professor do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP) apresenta reflexões metapsicológicas, intuições diagnósticas sobre a depressão, a discussão sobre o problema das formas e das cores na pintura de Turner e ainda investigações a respeito do encaixe quase perfeito da mania nos modelos empresariais, tornando-se uma espécie de exemplo “de nossa normalopatia”. Ele passa ainda pelas aspirações de almas revolucionárias que acabam por se encastelar em condomínios e pelas negociações entre liberdade e justiça que podem desembocar em um “fundamentalismo conjugal” (uma expressão insólita que nos lembra, como em vários momentos do livro, que o humor é uma via do afeto). O autor mostra que nem toda forma de mal-estar precisa virar sintoma e ser tratada, mas sim reconhecida.

Por Hugo Lana

.

O livro traz também a instigante discussão sobre como as formas de sofrer pertinentes ao Brasil atravessaram mutações que têm seu germe nas transformações das formas de reconhecimento inerentes a diferentes “circuitos políticos dos afetos”. A gramática do sofrimento não é a mesma no processo de redemocratização que no da ascensão da “classe batalhadora”, na terminologia de Jessé de Souza, ou ainda no recente processo de impeachment contra Dilma Rousseff. 

.

Com a aposta de que “cada experiência de sofrimento é uma história que se transforma na medida em que é contada”, Dunker apresenta a sua própria errância. E ressalta que a maneira como contamos nos permite justificar e partilhar nosso sofrimento. 

.

Após duas semanas de errância pelos escombros de Hamburgo, a senhora que aparece no texto de apresentação – e, não por acaso, é a avó do autor – encontra um objeto pertencente a sua história: uma bicicleta. Mas é algo que já não lhe serve. Dunker pergunta: O fazer? Pedalar até o Brasil?. Foi quando deparou com outra pessoa em situação semelhante e com quem partilhou seu último pedaço de pão. Esse encontro lhe mostrou uma saída. 

.

Reinvenção da intimidade: políticas do sofrimento cotidiano. Christian Dunker. Ubu Editora, 2017. 320 págs. R$ 54,00.

 


Instituto de Psicologia da USP

Av. Prof. Mello Moraes 1721
CEP 05508-030
Cidade Universitária - São Paulo - SP

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.