Conheça as possibilidades de atuação do psicólogo na área de Psicologia Forense | 30/8/2017 Imprimir E-mail
Notícias - Notícias

balança

*

A IV Jornada de Análise do Comportamento da USP convidou a pesquisadora e professora adjunta da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP) Giovana Veloso Munhoz da Rocha para apresentar a palestra Um olhar da Análise do Comportamento sobre a Psicologia Forense.

*

Rocha contou que a inspiração para a criação da área teve como base a Psiquiatria Forense, e que esta, por sua vez, surgiu da Medicina Legal. No Brasil, a pesquisadora revelou que a sistematização da Psicologia Forense aconteceu somente em 2001, quando uma resolução relacionada à especialização em Psicologia Jurídica - termo hispânico para designar a Psicologia Forense - foi aprovada no Conselho Federal de Psicologia.

*

A palestrante disse que a maioria dos psicólogos forenses é analista do comportamento, porque os profissionais que atuam nessa área consideram os fatores do contexto social no qual as pessoas envolvidas estão inseridas. Além disso, ela explicou que a Psicologia Forense faz intersecção com qualquer área do sistema legal, e não apenas com o direito penal, como costuma-se acreditar.

*

A pesquisadora também elucidou que a Psicologia Forense tem sustentação na pesquisa e na ciência. Por isso, a linguagem científica se faz necessária, para que os operadores do direito possam compreender o que os psicólogos têm a dizer.

* 

A professora defendeu que os psicólogos forenses utilizem também a linguagem do senso comum, e não só termos behavioristas, porque é preciso se aproximar do grande público. “Junto ao Direito, nós temos que matar a cobra e mostrar o pau, por meio da descrição esclarecida das contingências”, acrescenta Rocha.

* 

Para fins didáticos, a palestrante apresentou as possibilidades de atuação de um psicólogo forense citando as seguintes áreas:

* 

Psicologia do Crime

Trata-se da ciência dos processos comportamentais do adulto e jovem infrator, e tem o objetivo de descrever como um comportamento é adquirido, aprendido, evocado, mantido e modificado pelas consequências. Para tanto, o método científico é utilizado. São também examinadas e avaliadas a prevenção, a intervenção e suas estratégias direcionadas a reduzir o comportamento criminoso e o transtorno da personalidade antissocial. Ou seja, tenta-se compreender nos adolescentes a reiteração de comportamentos agressivos e nos adultos a reincidência de crimes cometidos.

* 

Avaliação Forense

Esta é o cerne da Psicologia Forense, porque é calcada nos maiores instrumentos da psicologia: a entrevista e a observação. Portanto, é imprescindível que sejam identificados e descritos os padrões comportamentais, e determinada a responsabilidade do indivíduo sobre seus atos, de forma que a objetividade seja promovida e os operadores da lei sejam instrumentalizados para que a melhor decisão em um julgamento seja tomada.

* 

Psicologia aplicada ao Sistema Correcional e Programas de Prevenção

Conforme alertava Skinner, os programas de prevenção serviriam como a solução “dos problemas da delinquência e do crime se pudéssemos modificar o ambiente primário dos agressores” através da identificação precoce e da prevenção de comportamentos antissociais.

* 

Se isso fosse aplicado, de fato, à Educação Básica e se os psicólogos conseguissem atuar nas variáveis que estão relacionadas à criminalidade, a prevenção seria efetiva. Contudo, é somente pela pesquisa nas áreas de Psicologia Comunitária e Psicologia Forense que o conhecimento existente sobre programas de prevenção acaba sendo timidamente semeado o que já é um início, embora ainda não seja a solução.

* 

Psicologia Aplicada à Polícia

Recentemente, a Psicologia Forense ganhou este novo desdobramento, no qual é possível trabalhar com identificação de estresse, resiliência, perfil de grupos de elite etc. “Com ela, conseguimos compreender que a maioria dos policiais é honesta, diferentemente do que é veiculado na mídia. Em geral, só temos notícia dos maus-exemplos, porque nos salta aos olhos suas ações negativas, já que eles deveriam cuidar e proteger a sociedade”, afirma Rocha. A exemplo disso, o número de policiais com transtorno de estresse pós-traumático vem sendo investigado por meio de um teste de protocolo elaborado por uma de suas orientandas.

* 

A pesquisadora também chamou a atenção para o grandenúmero de policiais que desenvolvem esse distúrbio da ansiedade, provavelmente por atenderem diariamente casos cruéis como crianças e mulheres estupradas, idosos espancados, entre tantos outros e por receberem baixos salários em média, R$ 1.800,00.

* 

O psicólogo forense atende quem, quando e onde?

Alguns dos lugares atendidos pelos psicólogos forenses são: presídios/centros de socioeducação, delegacias, comunidades terapêuticas, clínicas-escolas e clínicas particulares, laboratórios, programas de liberdade assistida, abrigos, Ongs etc.; e alguns dos casos comumente avaliados pela Clínica Forense são: disputa de guarda, alienação parental, responsabilidade criminal, (des)internamento de jovens, avaliação de risco, abuso sexual, físico e psicológico, assédio moral no trabalho etc.

* 

No caso de crianças em abrigos ou instituições de acolhimento, por exemplo, o Estado é o responsável por elas. Por isso, Rocha conta que essa é uma das primeiras coisas ensinadas pelo psicólogo forense às crianças, que explica que “o responsável por elas não é o pai ou a mãe social, ou mesmo o cuidador do abrigo, mas, sim, o juiz”.

* 

Portanto, a pesquisadora declara que quando um trabalho terapêutico é feito com essas crianças, e o assistente social responsável pela instituição informa que o Ministério Público solicitou um relatório, o psicólogo forense precisa acatar o pedido da Justiça. Também é possível que o psicólogo seja chamado para testemunho, para falar sobre o andamento da terapia da criança ou sobre a possibilidade de alta, e ele não pode se negar a dar essas informações, porque  o verdadeiro cliente do psicólogo forense é a Justiça.

* 

Isso significa que se um juiz ou o Ministério Público enviar um encaminhamento ao terapêuta, via de regra, é solicitado a ele que emita uma declaração de comparecimento para se reportar à Justiça e revelar informações que seriam sigilosas por exemplo, se o paciente está tendo um bom aproveitamento do processo. Essa solicitação é fora do comum em um atendimento padrão, porque o sigilo profissional existe para proteger o paciente atendido.

* 

E Rocha reconhece que “são muitos os psicólogos que fazem parte da Psicologia Forense mas não o sabem, o que se torna muito perigoso, já que eles devem sempre prestar contas à Justiça”.

* 

Psicologia Forense: o que é, afinal?

A palestrante reitera que a Psicologia Forense é uma ciência, que a Análise do Comportamento satisfaz às suas necessidades e que as particularidades que relacionam a Psicologia ao sistema legal criam o comprometimento de que os psicólogos saibam ao menos as leis básicas que envolvem a sua atuação: o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para quem trabalha com crianças e adolescentes; o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) para quem lida com adolescentes infratores; o Direito Penal para tratar adultos infratores etc. Por isso às vezes existe a necessidade de se procurar a consultoria de advogados.

* 

Porém, como os pacientes não procuram voluntariamente um psicólogo, já que, via de regra, eles não estão em liberdade, uma questão frequentemente emerge: como fazer psicoterapia com uma pessoa com quem não se tem um vínculo de confiança, que se vê obrigada a ir às sessões e que que costuma recusar o contato, o diagnóstico ou mesmo tratamento oferecido? Quanto a isso, a palestrante alega que “o estabelecimento de uma boa relação terapêutica consegue ser alcançado por um profissional que tenha recebido formação para isso. Não é fácil nem rápido, mas é possível”.

* 

Assim, tomando todos esses cuidados, “as implicações de uma prática atualizada e correta poderá promover mudanças positivas tanto no atendimento a agressores como a vítimas e suas famílias, nas mais variadas áreas”, finaliza Rocha.

* 

Por Anátale Garcia

Edição de Islaine Maciel

 


Instituto de Psicologia da USP

Av. Prof. Mello Moraes 1721
CEP 05508-030
Cidade Universitária - São Paulo - SP

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.