15 jul 2020

Desde criança até a vida adulta somos levados por diversos fatores a colocar em prática habilidades cognitivas. Elas são representadas pelas funções executivas do cérebro: foco da atenção, planejamento, memória do trabalho, flexibilização mental, controle de impulsividade, entre outras. O desenvolvimento dessas atividades pode se dar com a prática, por exemplo, de jogos de tabuleiro e leitura de livros.

Passados mais de 100 dias do início das aulas remotas, devido à suspensão das aulas presenciais em todo o País, as aulas e atividades on-line trouxeram à tona a importância das habilidades cognitivas no aprendizado. Suas funções, neste momento de confinamento, necessitam ser estimuladas para que não haja prejuízo no intelecto tanto das crianças quanto dos adolescentes e adultos. Foi a necessidade global de improviso, gerada pela crise sanitária, que tornou este momento atípico e diversificado.

Após três meses de aulas on-line, a rotina repetitiva exige um cuidado ainda maior com essas habilidades que estão em constante atividade (ou deveriam estar). “A motivação é um fator essencial para manter as habilidades cognitivas. O cansaço está predominante”, aponta Betânia Dell Agli, professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano (PSA) do Instituto de Psicologia (IP) da USP.

A adaptação

Na sala de aula, os professores tinham um contato maior com os alunos e podiam observar seus desenvolvimentos e dificuldades. A adaptação para o on-line inibiu esse contato mais próximo, exigindo das habilidades cognitivas, que sempre estiveram presentes na nossa vida, um cuidado maior.

No geral, são muitos os agentes que ajudam a manter as funções aprimoradas e, por isso, a cognição não deve ser restrita à aprendizagem escolar, explica Betânia. Principalmente agora, quando levado em consideração que “há uma sobrecarga no ensino remoto [especialmente] para essas habilidades”, aponta Maria Thereza Coelho de Souza, professora do Departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento e da Personalidade do IP-USP. Essa sobrecarga acontece quando, por exemplo, há um desequilíbrio recorrente na ordem de aulas, em que um dia tudo ocorre bem e no outro a internet cai, podendo causar ansiedade no aluno.

Para além das próprias dificuldades que este momento apresenta, há ainda os estudantes que já possuíam transtornos mais sérios, por terem algum problema neurobiológico. O que configura um desafio enorme, pois nas aulas presenciais isso demandava um esforço pedagógico específico que pode não ser oferecido a distância.Além disso, é importante dizer que a variabilidade de contextos e o momento atual exigem um ritmo diferente para pensar, somados à incerteza do que virá no futuro e às crianças e adultos que estão perdendo parentes. “Não é o contexto mais favorável do mundo para se aprender conteúdos acadêmicos [e escolares]” destaca Maria Thereza.Neuropsicologia como aliada

Sendo difícil a aprendizagem habitual, algo que está em alta atualmente é o exercício da criatividade, o que a professora Maria Thereza chama de “currículo oculto”. Isso ajuda a manter ativas as funções executivas das habilidades, que também possuem importante auxílio da psicologia cognitiva e neurociências. É a neuropsicologia que faz intervenções clínicas para o aprimoramento das habilidades com terapias e exercícios de memória e atenção específicos. “Temos redes envolvidas na questão da atenção e sua manutenção”, diz Betânia Dell Agli.

De forma resumida, a professora especialista em Neuropsicologia explica que o nosso tronco encefálico é responsável pela ativação da manutenção do estado de alerta e vigília do corpo, fazendo o córtex cerebral ficar vigilante, mais “ligado” para prestar atenção em determinada tarefa executada, como assistir às aulas e resolução de exercícios. Ao mesmo tempo, há uma grande participação do lobo frontal, que regula e monitora o quanto de atenção precisamos ter em certa atividade. “Isso envolve questões de ordem emocional, valores, interesses e complexidade da tarefa.”

Para as crianças e adolescentes, as distrações se fazem muito necessárias ao enfrentar longas aulas ao vivo ou listas de exercícios. Essa alternância de tarefas, principalmente na rotina repetitiva das aulas na quarentena, acontece, pois é natural que não se fique muito tempo em uma mesma atividade nem que se consiga executar duas delas simultaneamente.

É possível aprimorar as habilidades?

Apesar da possibilidade de intervenção clínica, as habilidades podem ser mantidas por simples execuções de tarefas. “Ter uma rotina e interesses são essenciais”, recomenda Maria Thereza. De acordo com a professora, estresse, ansiedade, falta de regularidade e instabilidades de dias e horários de estudos podem, aos poucos, “relaxar as funções”, como se elas não entendessem se é para funcionarem ou não. “Elas têm um substrato cerebral e nosso cérebro funciona com regularidades.”

Por isso, é preciso combater a ansiedade e estresse neste contexto de pandemia. Mas como fazer isso além das individualidades? A resposta das entrevistadas está em manter uma boa qualidade de sono, além da própria rotina e interesses ativos, mesmo que não seja por coisas relacionadas à escola. “Você gosta de música? Ler sobre ficção? Escute e leia, mesmo que não tenha ligação com [o conteúdo que você aprende], pois você vai exercitar a memória, deixando-a ativa para quando a quarentena acabar”, indica.

 

Por Caio Santana

IP Comunica | Serviço de apoio institucional
Av. Prof. Mello Moraes, 1721 - sala 26
Cidade Universitária - São Paulo, SP

Noticias Relacionadas