O ano de 2020 foi um desafio dada a pandemia desencadeada pelo coronavirus 19 que gerou enorme crise sanitária, econômica e política, responsável pela morte de mais de 180 mil brasileiros. Apesar da dificuldade de gestão política da crise sanitária e econômica, o Instituto de Psicologia providenciou com rapidez e eficácia vários serviços em sua área de competência. Vários dos serviços prestados adaptaram-se rapidamente às condições da crise e vários dispositivos novos foram criados, no Departamento de Psicologia Clínica, em especial no campo da saúde mental.

O Departamento de Psicologia Clínica em articulação com outros Departamentos do Instituto de Psicologia e com outras instituições atuou principalmente em três frentes: 1) Atendimentos psicológicos: modalidades on-line 2) Pesquisas e pandemia e 3) Formação e apoio a profissionais da saúde.

Em relação aos atendimentos psicológicos foram mobilizadas equipes, várias delas interdepartamentais, que realizaram diferentes modalidades de apoio psicológico aos servidores e alunos da USP, alunos do cursinho, profissionais da saúde de São Paulo e da região Norte do país, imigrantes e refugiados, psicólogos hospitalares, famílias em proceso de adoção e a população em geral. As equipes reuniram cerca de 1.800 profissionais e puderam dar assistência em saúde mental a cerca de 6.500 pessoas. Além desses trabalhos as disciplinas de Graduação de Atendimento Clínico adaptaram-se e cerca de 170 alunos, supervisionados por 20 professores atenderam a aproximadamente 200 pacientes inscritos na Clínica Psicológica Durval Marcondes. Destacamos nesse item os projetos da USP e do IPUSP, com contribuições significativas do PSC, o Apoio psicológico do IPUSP (PAPO) e o Escritório de Saúde Mental da Pró-reitoria de Graduação, em parceria com a Superintendência da Assistência Social – SAS.

Em relação à pesquisa e pandemia várias ações que envolveram universidades do pais e internacionais pesquisaram sonhos e as modalidades on-line de atendimentos. De outro lado, várias pesquisas da Pós-Graduação adaptaram seus projetos para incluir aspectos da crise mundial.

A formação de profissionais da saúde para a assistência em saúde mental, tendo em vista a crise, também contou com a participação do PSC e da PPG de Psicologia Clínica. Destacamos nesse item o do IPUSP, com contribuições significativas do PSC, o Programa Autoestima de Formação e Qualificação de Profissionais das Redes de Atenção Psicossocial do Sistema Único de Saúde do Estado de São Paulo

Elencamos abaixo algumas dessas ações e em seguida apresentamos uma breve descrição de cada uma delas.

Elenco das ações do DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CLÍNICA EM 2020 :

Atendimentos psicológicos: modalidade on-line

  1. PROJETO DE APOIO PSICOLÓGICO DO IPUSP (PAPO)
  2. PROJETO APOIAR ONLINE – LABORATORIO DE SAUDE MENTAL E PSICOLOGIA CLINICA  SOCIAL – INSTITUTO DE PSICOLOGIA DA USP
  3. ESCRITÓRIO DE SAÚDE MENTAL DA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DA USP E EM PARCERIA COM A SUPERINTENDÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL – SAS: ATENDIMENTO DE ALUNOS DA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DA USP
  4. VEREDAS ONLINE – PSICANÁLISE E IMIGRAÇÃO DO LABORATÓRIO PSICANÁLISE, SOCIEDADE E POLÍTICA (PSOPOL) DO PSC – IPUSP
  5. GRAPUSP: GRUPO REFLEXIVO DE APOIO À PERMANÊNCIA De ALUNOS NA USP
  6. GRUPOS ON-LINE COM PRETENDENTES A ADOÇÃO E GRUPO PÓS ADOÇÃO, EM FUNÇÃO DA PANDEMIA TER ADIANTADO VÁRIOS PROCESSOS DE ADOÇÃO.
  7. PROJETO TRAVESSIA: ATENDIMENTO ONLINE PARA ALUNOS DO CURSINHO
  8. PROJETO ESCUTATO COLETIVO PARA ESCUTA NA PANDEMIA
  9. PRÁTICA ASSISTENCIAL À DISTÂNCIA, DO LABORATORIO SUJEITO E CORPO, AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO HU-USP
  10. PROJETO ESCUTA E INTERVENÇÃO CLÍNICA DO CUIDADO (LATESFIP-LABLACAN)
  11. SERVIÇO DE SUPORTE PSICOLÓGICO E PSIQUIÁTRICO REMOTO OFERTADO A PROFISSIONAIS DE SAÚDE NOS ESTADOS DO AMAZONAS E RORAIMA, EM COOPERAÇÃO COM A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES (OIM).
  12. OFICINAS ONLINE COM ADOLESCENTES EM GRUPO EM ESCOLAS PÚBLICAS

Pesquisas e pandemia

  1. PESQUISA MULTICENTRICA “SONHOS EM TEMPOS DE PANDEMIA » (PSOPOL E LATESFIP DA USP E OUTROS).
  2. PESQUISA INTERNACIONAL “EXPLORAÇÃO DO IMPACTO DA REALIDADE EXTERNA (COVID 19) NOS ELEMENTOS E NAS TRANSFORMAÇÕES DA RELAÇÃO PACIENTE-TERAPEUTA” (PSOPOL DO IP-USP E VÁRIAS UNIVERSIDADES INTERNACIONAIS).
  3. RELIGIÃO, LAÇO SOCIAL E PSICANALISE (RELAPSO) NO GRUPO DE PESQUISA E ESTUDOS (PSOPOL)
  4. O USO DO PROCEDIMENTO DE DESENHOS-ESTÓRIAS E DESENHOS DE FAMÍLIAS COM ESTÓRIAS EM PRÁTICAS COMPREENSIVAS E PREVENTIVAS JUNTO A ADOLESCENTES
  5. SENTIMENTOS E ATITUDES DA CRIANÇA, ADOLESCENTES HOMENS E MULHERES NO ISOLAMENTO SOCIAL EM PERÍODO DA PANDEMIA POR CORONAVÍRUS

Formação de profissionais da saúde

  1. PROJETO ACHAR PALAVRA
  2. PROGRAMA AUTOESTIMA DE FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS REDES DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

 

DESCRIÇÃO DAS AÇÕES DO PSC EM 2020:

ATENDIMENTOS PSICOLOGICOS: MODALIDADE ON-LINE

1 – PROJETO DE APOIO PSICOLÓGICO DO IPUSP (PAPO)

O “Projeto Apoio Psicológico online” visa oferecer uma ponte para contribuir com a travessia da pandemia do COVID-19. Constituído a partir do Centro Escola do Instituto de Psicologia (CEIP) trata-se de projeto interdepartamental com amplo envolvimento da comunidade do IPUSP em sua realização e oferece atendimentos psicológicos pontuais e on-line de caráter resolutivo (em média três encontros) sem lista de espera.

Focado em atender a comunidade USP, pôde também atender parcelas da comunidade geral quando a capacidade de atendimento assim o permitiu. O projeto iniciou o atendimento ao público em 02 de abril de 2020. Até 26/11 já finalizou o atendimento de 1.375 pessoas, e possui 164 pessoas em atendimento no presente momento. Conta com uma equipe de cerca de 180 pessoas envolvidas no projeto, entre funcionários, docentes, alunos atuais e egressos.

Este contingente atua tanto nos atendimentos quanto na infraestrutura do projeto. Possui a perspectiva de seguir até o final do primeiro semestre de 2021 podendo este prazo ser reavaliado em função do andamento da pandemia.

Coordenador do PAPO: Prof. Dr. Pablo Castanho (IPUSP/PSC); Vice-Coordenadora do PAPO: Psicóloga Paula Fonseca (IPUSP/PSA) e Presidente do Conselho Consultivo do PAPO: Profa. Henriette Morato (IPUSP/PSA)

2 – PROJETO APOIAR ONLINE – LABORATÓRIO DE SAÚDE MENTAL E PSICOLOGIA CLÍNICA SOCIAL – INSTITUTO DE PSICOLOGIA DA USP

O APOIAR – ATENDIMENTO ONLINE tem o objetivo de atender pessoas da população em geral em atendimentos em consultas terapêuticas oferecendo escuta e acolhida à pessoa atendida. Todos os psicólogos são inscritos no CRP e no E-psi do CFP e se dedicam ao trabalho voluntário.  Os atendimentos são realizados online por vídeo chamadas, skype ou outro aplicativo e os contatos são feitos pelos terapeutas que marcam a 1ª consulta de acordo com sua disponibilidade.  As pessoas buscam o Projeto/serviço enviando um e-mail apoiar@usp.br ficando numa fila de espera, e a coordenação vai encaminhando os pacientes aos terapeutas respeitando a ordem cronológica.  Foram atendidas até 20 de novembro 1.431 pessoas, (sem contar as desistências) por 367 terapeutas. Destas, 663 pessoas (44%) tiveram os atendimentos encerrados, a maioria, 768 (56%) se mantêm em atendimento em processos terapêuticos.

Coordenação APOIAR ONLINE – Professora Associada Leila Salomão de La Plata Cury Tardivo

3 – ESCRITÓRIO DE SAÚDE MENTAL (ESM)

O Escritório de Saúde Mental (ESM) está vinculado à Pró-Reitoria de Graduação   e trabalha na prevenção de sofrimentos, orientação e acolhimento inicial ao estudante de graduação e pós-graduação da USP e aos estudantes intercambistas da Agência USP de Cooperação Nacional e Internacional – AUCANI.  O objetivo do ESM é acolher estudantes e oferecer pesquisas clínicas aprovadas em Comitê de Ética em pesquisas com seres humanos, focalizando pesquisas qualitativas e de estudos de casos, focadas, entre outros temas, na temática do suicídio em estudantes universitários.

Já foram acolhidos cerca de 600 estudantes da Universidade de São Paulo (200 durante a pandemia Covid-19 na modalidade de Consultas terapêuticas online); realizam-se Rodas de Conversa com várias Unidades da USP, incluindo estudantes, funcionários e docentes, além de lives em projeto sobre Cinema-Educação-Psicologia, como forma de dar visibilidade às questões referentes à estigma com Saúde Mental por meio do Youtube, Facebook do ESM-PRG.

Coordenador: Prof. Associado Andrés Eduardo Aguirre Antúnez – IPUSP e Vice-Coordenador: Prof. Associado Renério Fráguas Junior – IPq e HU.

Colaboradores docentes: Prof. Alessandro de Oliveira Santos – IPUSP, Prof. Eduardo de Castro Humes – GRAPAL, Prof. Francisco Lotufo Neto – FMUSP, Prof. Gilberto Safra – IPUSP e Prof. Marco Aurélio Guimarães USP/RP.

Parcerias: Escritório USP Mulheres sob coordenação da Profa. Maria Arminda Arruda; Escritório de Carreiras, Profa. Tania Casado; Escritório de Atividades Esportivas, Prof. Júlio Serrão; Instituto Tecnológico Aeroespacial do Ministério da Aeronáutica – ITA; Superintendência de Assistência Social; Superintendência de Proteção e Prevenção Universitária; Departamento de Psiquiatria do Instituto de Psiquiatria da FMUSP especialmente na ampliação do App COMVC; PUL, Roma, Profa. Angela Ales Bello; PUCPR Prof. Marcio Luís Fernandes.

 

4 – VEREDAS ONLINE – PSICANÁLISE E IMIGRAÇÃO DO LABORATÓRIO PSICANÁLISE, SOCIEDADE E POLÍTICA (PSOPOL) DO PSC – IPUSP

Trabalho de Extensão que visa alcançar a experiência de sujeitos afetados diretamente por fatos sociais e políticos que levam à exclusão, segregação e consequente emigração ou exílio do país de origem e a busca de refúgio em país estrangeiro. O objetivo principal é implantar espaços de acolhimento e desenvolver intervenções institucionais, psicossociais e clínicas que conduzam a um trabalho de reconstituição de laços sociais, favorecendo os vínculos afetivos e de trabalho, bem como promover a inserção social dos imigrantes, migrantes, refugiados na cidade de São Paulo. Também opera na formação de Psicólogos no campo. A metodologia é nomeada de intervenções psicanalíticas clínico-políticas.

Ações em 2020, diante da pandemia:

1) Atendimento clínico-institucional de imigrantes e refugiados em situação de abrigamento na Casa do Migrante ; 2) Atendimentos em clínica transcultural no Centro de Referência ao Atendimentos de Imigrantes da cidade de São Paulo (CRAI) ; 3) Participação e coordenação da Rede de Assistência em Saúde para o Imigrante ; 4) Plantões e acolhimento individual e em grupos no Centro de Integração do Migrante ; 5) Intervenções em Escolas Da Rede Pública que Atendem Alunos Imigrantes ou Filhos de Pais Imigrantes e 6) Atividades de formação na universidade e na cidade.

Equipe de cerca de 30 psicólogos e 5 estagiários

Coordenação geral: Profa.  Titular Miriam Debieux Rosa; Coordenação das ações: Prof. Dr. Gabriel Binkowsky (pós-doutorando); Andressa Andreatti e Joana Primo

5 – GRUPO REFLEXIVO DE APOIO À PERMANÊNCIA NA USP (GRAPUSP)

O GRAPUSP visa contribuir com uma perspectiva clínica para a permanência de alunos na Universidade de São Paulo oferecendo um dispositivo de escuta e elaboração de experiências difíceis psicologicamente na relação com a universidade de modo a promover saúde e bem-estar. São realizados grupos semanais com até quinze alunos. A partir de março de 2020, as atividades foram realizadas na modalidade online. Houve um total de 50 alunos de graduação e pós-graduação atendidos pelo projeto no ano. Houve também o desenvolvimento de uma tecnologia de intervenção online em parceria com colegas estrangeiros originando uma publicação internacional em novembro. Foram realizadas ainda atividades de apoio e supervisão a três projetos de cuidados a alunos na universidade. Sobre a equipe, além do docente responsável, o projeto conta hoje com uma pós-doc, uma doutoranda, três mestrandas e quatro alunos de graduação atuando no projeto.

O Grapusp é uma atividade do grupo de pesquisa Clínica de Grupos e Instituições: Abordagem Psicanalítica (CLIGIAP) e do Laboratório Interinstitucional de Estudos da Intersubjetividade e da Psicanálise Contemporânea (LipSic)

Coordenação: Professor Pablo Carvalho

6 –  GRUPOS ON-LINE COM PRETENDENTES A ADOÇÃO E GRUPO PÓS ADOÇÃO

Trata-se de um projeto que se propõe a estudar a construção de vínculos filiativos na adoção, sob o ponto de vista de todos os envolvidos: adotantes, adotados, instituições de acolhimento e Judiciário. Pretende-se compreender as motivações inconscientes envolvidas nesta escolha filiativa; os motivos que levam a uma devolução; procedimentos que incentivem a adoção tardia; sobre a preparação de pretendentes e crianças/adolescentes; promover um diálogo interdisciplinar entre o Direito e a Psicanálise. É de relevância social na medida em que objetiva construir novos conhecimentos, verificar a eficácia de práticas terapêuticas interventivas com os adotantes (grupos reflexivos de preparação dos pretendentes) e crianças que já passaram pela experiência de devolução, com a finalidade de promover uma melhor adaptação, de todos os envolvidos, nessa nova família.

Atividades na pandemia do LabCaFam: 1)    Grupos on-line de Pós-adoção, em parceria com os Fóruns de São Jose dos Campos e Jandira; 2) Grupos reflexivos com pretendentes a adoção, em parceria com os Fóruns de Carapicuíba e Jandira, realizados de modo online de Maio a Novembro; 3) Também como atividades do Laboratório na pandemia, o projeto atendeu 06 casais em psicoterapia psicanalítica de casais que procuraram a nossa clínica Durval Marcondes solicitando esse tipo de atendimento:  atendimento realizado por mestrandas.

Coordenação: Profa Isabel Cristina Gomes

7 –  PROJETO TRAVESSIA E TRAVESSIA NA PANDEMIA

O projeto Travessia surgiu no segundo semestre e 2018 como uma atividade de ensino e pesquisa cujos objetivos são oferecer aos alunos da graduação do IP uma oportunidade de realizar atendimentos clínicos, e atender à demanda do “Florescer”, cursinho pré-vestibular atuando no campus Butantã da USP que atende alunos em situação de vulnerabilidade social. De 15 de janeiro a 27 de novembro de 2020 nos propusemos a atender os alunos do cursinho na modalidade on-line, através de terapeutas voluntários, já formados, sendo alguns alunos da pós-graduação. No segundo semestre, após a liberação do atendimento on-line para os alunos da graduação, um dos três atendimentos foi retomado por uma estagiária da graduação. O modelo misto que congrega alunos da graduação, da pós-graduação, e voluntários (ex-alunos formados do IP) tem se mostrado interessante na troca de experiências clínicas, e é possível que seja mantido em 2021. O projeto está ligado ao Laboratório Interinstitucional de Estudos da Intersubjetividade e Psicanálise Contemporânea (IP-USP & PUC-SP).

Atendimentos realizados: Janeiro-Março/2020: Continuação de quatro (4) atendimentos, realizados por três (3) estagiários. Maio-Novembro/2020: Seis (6) novos atendimentos iniciados por seis (6) terapeutas voluntários formados.

Coordenação: Profa Marina Ribeiro

8 – PROJETO ESCUTATO – COLETIVO PARA ESCUTA NA PANDEMIA ON-LINE DO PSOPOL

Trata-se da execução de um trabalho aos moldes do que se entende psicanálise (ou clínica) implicada, onde busca-se acolher diferentes percursos e posições teóricas de cada profissional psi voluntário. Assim, nos articulamos para realizar atendimento de emergência para o acolhimento de pessoas em crise e urgência pessoal; entendendo esta situação como traumática.

O EscutAto tem como objetivo, desde sua criação, em março de 2020, escutar pessoas que são testemunhas de um processo sócio-histórico, considerando que é um momento de simetria, pois é um processo que igualmente atravessa os profissionais que se disponibilizaram à escuta. Público: Foram elencados três eixos: 1) pessoas que tenham desencadeado sofrimento psíquico em razão do Coronavirus no cenário social; 2) pessoas que tenham sido infectadas pelo vírus e demandam atendimento e, finalmente, 3) trabalhadoras e trabalhadores de todas as áreas que continuam sua rotina e que buscam atendimento pelos efeitos disso.

Colaboradores: Psicólogos e psicanalistas interessados no projeto, com disponibilidade na agenda e que sejam parte da rede inicial – sendo assim, cada um tornou-se responsável por quem trouxe para o projeto e vice-versa.  Atualmente (novembro/2020) são 40 (quarenta) voluntários. Este número chegou há 50 profissionais.

Atendimentos:  todos os acolhimentos são realizados virtualmente, havendo necessidade do uso de tecnologia.

Contato : escutato@gmail.com

Por e-mail, desde abril/2020, houve 531 pessoas interessadas. Todas foram orientadas.

Coordenação: Patrícia do Prado Ferreira e Raonna Caroline Ronchi Martins;

Referência: PSOPOL Miriam Debieux Rosa e Ivan Estêvão

9 – PRÁTICA ASSISTENCIAL À DISTÂNCIA, DO LABORATORIO SUJEITO E CORPO, AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO HU-USP

Apesar de ser um local voltado para o cuidar, o hospital é visto como um lugar insalubre e perigoso para seus trabalhadores, sendo um importante potencializador de adoecimento. Existem riscos físicos pelas atividades e riscos psicológicos diante da alta pressão social e psicológica, que torna comum a ocorrência de sofrimento psíquico e quadros como ansiedade e depressão. A eclosão em Wuhan, China, da COVID-19 com sua alta capacidade de contágio provocou sentimentos de ameaça, insegurança, medos racionais e irracionais. Não surpreendentemente, a mídia britânica já está relatando um impacto psicológico substancial frente a pandemia, existindo relatos de que pessoas a estão comparando a situação com “o fim do mundo”. O objetivo deste projeto é oferecer aos profissionais de saúde do Hospital Universitário da USP, atendimento clínico à distância (Celular ou Skype), em situações de sofrimento psíquico relacionadas a COVID-19. Integrantes do Laboratório Sujeito e Corpo do Departamento de Psicologia da USP, psicólogos inscritos no Conselho Regional de Psicologia do Estado de São Paulo, com pós-graduação e experiência clínica assistencial na área de saúde, será disponibilizado um número de celular para o atendimento à distância aos profissionais de saúde do HU-USP, que poderá ser feito pelo próprio celular ou por Skype (neste caso o profissional assistido receberá as devidas orientações), em situações de sofrimento psíquico relacionados a COVID-19, sendo resguardado o devido sigilo e confidencialidade de acordo com Artigo 9º, do Código de Ética Profissional do Psicólogo e do  Capítulo 9º do Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina. Esta atividade assistencial será coordenada pelo Professor Doutor Avelino Luiz Rodrigues (coordenador do Laboratório Sujeito e Corpo) e supervisionada pela Professora Associada Dra. Elisa Maria Parahyba Campos e pelo Professor Doutor Avelino Luiz Rodrigues. Uma escala de atendimento será disponibilizada oportunamente, discriminando dias das semanas e horários dos psicólogos em serviço para os atendimentos. O planejamento deverá incluir horários noturnos a fim de viabilizar aos profissionais do HU em plantão noturno a possibilidade de serem atendidos. Ficará ao encargo da Dra. Denise Swei Lo a comunicação às diferentes chefias do HU, de que este serviço está sendo disponibilizado aos profissionais de saúde da instituição HU-USP.

Coordenação: Professor Doutor Avelino Luiz Rodrigues

10 – PROJETO ESCUTA E INTERVENÇÃO CLÍNICA DO CUIDADO (Latesfip-LabLacan)

Considerando as circunstâncias de grande impacto social trazidas pela COVID-19, em termos de saúde mental e de esclarecimento à população, sobre as condições de sofrimento durante o período de quarentena os Laboratórios de Teorias Social, Filosofia e Psicanálise e Laboratório de Psicanálise Jacques Lacan reuniram-se para a uma série de intervenções considerando os vários níveis de impacto causados pela Pandemia. O esclarecimento da população em geral, o incentivo e informação para práticas de cuidados básicos em saúde mental, a ação direta sobre a demanda emergente de pessoas em sofrimento que solicitaram escuta e a intervenção sobre um grupo específico de trabalhadores compuseram nossa estratégia de abordagem multifatorial do problema. Tendo por coordenador geral o Prof. Christian Ingo Lenz Dunker as ações dividiram-se (1) em intervenções diretas de esclarecimento à população, por meio de lives, vídeo conferências, publicações e aulas públicas (2) intervenções de escuta junto à população, com acesso direto pela coordenação da Rede Clínica do Laboratório Jacques Lacan e (3) Atendimento em escuta psicanalítica e educação compartilhada da Guarda Civil Metropolitana do Município de São Paulo, guarnição alocada na “Cracolândia”. Os resultados são abaixo discriminados:

 

  1. Desenvolvido entre 18 de Março e 20 de Dezembro, com equipe de intervenção coordenada por Ilana Katz e Rafael Cossi realizamos: 01 livro publicado (sobre a Covid e a Quarentena), 03 artigos em revistas de divulgação científica, 26 colunas publicadas em jornais de grande circulação, 29 intervenções em mídia, sob forma de entrevistas ou inserções, veiculadas em televisão, rádio e mídia digital, 07 depoimentos para PodCast, 35 Lives abordando temas de saúde mental e situação de sofrimento em condição de quarentena, 10 entrevistas para televisão sobre o impacto político e em saúde mental da pandemia, 07 intervenções em Sindicados, Coletivos e Movimentos Sociais, 09 intervenções em escolas e 03 intervenções conjuntas com o Grupo de Análise de Conjuntura da USP. O conjunto perfaz 130 intervenções de esclarecimento, atenção e informação sobre a saúde mental em situação de pandemia, oferecidos à população geral.
  2. Desenvolvido entre 18 de março e 20 de Dezembro de 2020, com equipe clínica coordenada por Clarice Paulon e João Pedro Queiróz a Rede de Atendimento Clínico do Laboratório Jacques Lacan registrou 118 pacientes atendidos em caráter emergencial durante a Covid-19.
  3. Desenvolvido entre 18 de agosto e 20 de Dezembro de 2020, com equipe clínica coordenada por Clarice Paulon a Intervenção Clínica e Educativa junto a Guarda Comunitária Municipal (GCM) – guarnição da “Cracolândia” em Convênio com a Defensoria Pública Estadual realizou Grupos de escuta, Grupos de discussão sobre cidadania, cuidado e saúde mental e Escuta emergencial durante a Covid.

Coordenação: Professor Titular Christian Ingo Lenz Dunker

11 – SERVIÇO DE SUPORTE PSICOLÓGICO E PSIQUIÁTRICO REMOTO OFERTADO A PROFISSIONAIS DE SAÚDE NOS ESTADOS DO AMAZONAS E RORAIMA, EM COOPERAÇÃO COM A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES (OIM).

Representado pelo PSOPOL e pelo Grupo Veredas – Psicanálise e Imigração (IP/USP) (coletivo composto por pesquisadores e profissionais da área da saúde mental implicado no desenvolvimento de dispositivos e de recursos para o acompanhamento, o atendimento clínico de imigrantes e refugiados e o desenvolvimento de conhecimentos e de políticas públicas no campo das migrações), presta os seguintes serviços:  serviço de suporte psicológico e psiquiátrico remoto ofertado a profissionais de saúde nos estados do Amazonas e Roraima e  nas seguintes áreas para cooperação mútua: Implementação e coordenação de um serviço remoto de suporte psicológico e psiquiátrico ofertado a cerca de 1000 profissionais nos estados de Amazonas e Roraima, em um contexto de alto potencial para estresse ocupacional e sofrimento mental causados pela pandemia de COVID 19, incluindo o recrutamento de profissionais, recursos materiais, supervisão técnica e gestão de qualidade; Estruturação, monitoramento e avaliação das atividades pertinentes desenvolvidas no escopo do projeto compartilhado; Cooperação na gestão de informação e dados, incluindo atividades de pesquisa e estudo eticamente responsáveis e mutuamente acordadas sobre questões em saúde mental e migração. O grupo iniciou em 15/09/2020 com os integrantes da equipe da OIM e do IPUSP e reuniões entre supervisora e responsáveis diretos e programou três frentes de atuação: 1) plantões de acolhimento; 2) rodas de conversa e grupos terapêuticos; 3) atendimentos individuais.  Está em fase de implantação.

Equipe: A equipe é composta por 8 psicólogos, 2 psiquiatras e 1 supervisora, Patrícia do Prado Ferreira (pós-doutoranda ipUSP) e tem por responsáveis:  Prof.ª Miriam Debieux Rosa e Ivan Estêvão (PSOPOL)

12 OFICINAS ONLINE COM ADOLESCENTES EM GRUPO EM ESCOLAS PÚBLICAS

Essa proposta se dirigiu a grupos de pré-adolescentes e adolescentes em8 Escolas da Diretoria de Ensino de São Roque. Sabe-se que crianças, adolescentes e adultos jovens sofrem mais por distanciamento social prolongado e os efeitos desse podem ser duradouros no âmbito da saúde mental, favorecendo principalmente ansiedade e depressão. Torna-se necessário encontrar saídas para aproximação e intervenção com o adolescente longe da escola, dos amigos, do lazer e esporte e próximo de situações potencialmente perigosas ao seu bem-estar. Foram desenvolvidas Oficinas Psicológicas, como enquadres diferenciados baseados nas Oficinas Psicoterapêuticas Foram realizados 5 a 6 encontros, com aproximadamente 10 adolescentes de cada escola . No primeiro encontro foi empregado o Procedimento de Desenhos Temáticos- uma extensão e derivado do D-E. (com a instrução: Desenhe um jovem em sua cidade hoje), realizado o levantamento dos principais temas apresentados no DE- T. Os demais encontros foram dedicados à discussão, ao emprego do Questionário Sentimentos e atitudes do adolescente no distanciamento social em período da pandemia por coronavírus; e Questionário de Capacidades e Dificuldades (SDQ) (ambos no   Google Forms); As oficinas revelaram-se como fonte de estímulo para os jovens proporcionando espaço seguro para expressão de conteúdos internos, em especial os temas relacionados à pandemia de COVID-19 no Brasil. Alguns adolescentes solicitaram e foram realizados atendimentos individuais.  Pretende-se ampliar a proposta e realizar as Oficinas Psicológicas em mais escolas da mesma Diretoria de Ensino e em outras.

Equipe Leila Cury Tardivo – Coordenação

Cláudia Sanchez; Gislaine Chaves; Loraine Seixas; Malka Alhanat; Rita Souza e Sá,  Joice Dominguez; Claudia Sanches . Helena Rinaldi Rosa;

PESQUISAS E PANDEMIA

13 – PESQUISA MULTICENTRICA “SONHOS EM TEMPOS DE PANDEMIA” (PSOPOL E LATESFIP DA USP E OUTROS).

Trata-se de pesquisa multicêntrica, construída frente ao novo contexto trazido pela pandemia do Covid-19 no Brasil. Visa, uma nova nuance nas pesquisas que articulam sonhos, psicanálise e política: trata-se de colher os sonhos da população em geral, mas, sobretudo, de profissionais da saúde e educação em tempos de pandemia, junto a profissionais vinculados à saúde, à educação e à ciência em geral. O objetivo geral é conhecer os sonhos desses grupos de risco e articular o material destas narrativas oníricas à possibilidade do trabalho com o sonho e com o despertar, a partir da oniropolítica. Recolheu cerca de 1300 sonhos no país e os resultados estão em entrevistas, livros no prelo e coletânea na revista CULT a ser publicada em 2021.

Equipe:

Coordenação da pesquisa é composta por quatro laboratórios de pesquisa: NUPPEC/UFRGS (Rose Gurski e Cláudia Perrone, docentes do Instituto de Psicologia da UFRGS e do PPG Psicanálise: clínica e cultura); PSOPOL/IPUSP ( Miriam Debieux Rosa); LATESFIP/ IPUSP (Christian Dunker); Programa de Pós-graduação em psicologia da UFMG (Gilson Iannini)

Grupo PSOPOL:  pesquisadores do Laboratório e professores de outras universidades: Miriam Debieux Rosa (IPUSP), Ivan Estêvão (IPUSP), Jaquelina Imbrizi(Unifesp-Santos); Sérgio Prudente (UFRGN) e Leônia Cavalcante ( UFC) , Sandra Alencar, Emilia Broide; Ilana Mountian; Marta Cerrutti; Patricia Ferreira, Rodrigo Alencar  e alunos da pós-graduação Priscilla Santos; Mariana Deseing; Isabela Mendes de Lemos;

14 – PESQUISA INTERNACIONAL INTITULADA “EXPLORAÇÃO DO IMPACTO DA REALIDADE EXTERNA (COVID 19) NOS ELEMENTOS E NAS TRANSFORMAÇÕES DA RELAÇÃO PACIENTE-TERAPEUTA”. PSOPOL DO IP-USP E VÁRIAS UNIVERSIDADES INTERNACIONAIS.

Pesquisa internacional intitulada “Exploração do impacto da realidade externa (Covid 19) nos elementos e nas transformações da relação paciente-terapeuta”: trata das transformações do trabalho de psicanalistas e psicoterapeutas durante o período de pandemia (crise sanitária), a passagem ao virtual no enquadre psicoterapêutico (crise do meta-enquadre) e da presença da situação social de crise (crise política).Essa pesquisa é objeto de uma cooperação internacional entre o Laboratório de Psicanálise, Sociedade e Política (IP-USP), Université Paris 5, Université Paris 10, Université Picardie Jules Verne e Université Saint Joseph de Beirute (Líbano). Entrevistas tem sido realizadas no Brasil, França, Líbano e Itália e reuniões contínuas entre os pesquisadores.

Participantes: Marie Rose Moro, (Professora Université Paris Descartes), Romy Marie Nassif (Doutoranda Université Paris Descartes), Elisabetta Dozio (pesquisadora Action Contre la Faim), Mathilde Laroche Joubert (Professora Université Paris Nanterre), Mayssa’ El Husseini (Professora Université de Picardie Jules Verne), Miriam Debieux Rosa (Prof. Titular USP), Gabriel Inticher Binkowski (pós-doutorando PPG Psicologia Clínica – USP) e Layla Tarazi Sahab (Professora Université Saint Joseph, Beyrouth-Líbano)

15 – GRUPO DE PESQUISA E ESTUDOS EM RELIGIÃO, LAÇO SOCIAL E PSICANALISE (RELAPSO) – PSOPOL (LABORATORIO PSICANALISE, SOCIEDADE E POLITICA) DO PSC- IP/USP

Coletivo de pesquisadores organizado pelo pós-doutorando Gabriel Inticher Binkowski em parceria com o professor Edin Abumanssur (coordenador do PPG de Ciências da Religião da PUC-SP) criado em fevereiro de 2019. Trata-se de um grupo de pesquisadores de diferentes instituições universitárias do Estado de São Paulo (USP, PUC-SP, Unicamp, Mackenzie, Universidade Metodista) que vem sustentando encontros de pesquisa regulares sobre a temática da presença da religião e de grupos religiosos na sociedade e na política brasileiras, destacando os efeitos dessa presença na subjetividade, no laço social, na cultura e nas instituições públicas. O grupo organizou atividades públicas em 2019 e 2020, no período pré-pandemia, e realizou um evento público por videoconferência em 11 de outubro de 2020, com o tema “Dominação, violência e discurso religioso”, com duração de duas horas e participação de 60 pessoas. Internamente, o grupo manteve dois encontros mensais para discussões de pesquisas envolvendo os trabalhos dos participantes e trabalha na organização de um volume com textos de convidados e dos participantes do coletivo.

Equipe atual:

Gabriel Inticher Binkowski (coordenador) – pós-doutorando no PPG de Psicologia Clínica. Edin Abumanssur – Professor da PUC-SP e coordenador do PPG de Ciências da Religião da PUC-SP. Eduardo Silva – Psicanalista, teólogo e docente no IBCP – Instituto de Ciências e Psicanálise. Betty Boguchwal – psicóloga e mestre em Literatura na USP. Dayse Rodrigues – psicóloga. Eduardo Jacó – psicólogo. Felipe dos Anjos – teólogo, mestre e doutorando em Ciências da Religião pela Universidade Metodista. Gabriel da Silva Santos – psicólogo. Gedeon Alencar – doutor em em Ciências da Religião pela PUC-SP e professor de sociologia da Universidade Teológica Batista.Giovane Cantenucci – filósofo e mestre em ciências da religião pela PUC-SP. Gisele Laranjeira – psicóloga e mestre em ciências da religião pela PUC-SP. Héder Belo – psicólogo e psicanalista, mestrando em Teoria Psicanalítica na UFRJ. Jacqueline Ziroldo Dolghie – professora na Universidade Presbiteriana Mackenzie. João Caramori – psicólogo e mestre em psicologia clínica pela USP. João Moura – teólogo e mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista. Rafael Melo – geógrafo e professor na rede de ensino fundamental de SP. Rafaela Marques – jornalista e mestre em Comunicação. Rodolfo Capler – teólogo e mestrando em Direitos Humanos pelo IFSP.

16 – O USO DO PROCEDIMENTO DE DESENHOS-ESTÓRIAS E DESENHOS DE FAMÍLIAS COM ESTÓRIAS EM PRÁTICAS COMPREENSIVAS E PREVENTIVAS JUNTO A ADOLESCENTES 

O projeto de pesquisa-ação foi dirigido a adolescentes e pré-adolescentes. Apresenta um caráter inovador pois consiste na realização dos atendimentos de forma online, com o Procedimento de Desenhos-Estórias e Desenhos de Famílias com Estórias. O objetivo é realizar os Psicodiagnósticos Compreensivos e Interventivos a partir do Procedimento de Desenhos-Estórias e Desenhos de Famílias com Estórias, em aplicações online. A proposta, deverá abranger um número de 50 adolescentes que se inscreveram no APOIAR ONLINE, bem como aqueles encaminhados pelo Programa do Adolescente da Secretaria da Saúde. O projeto está em desenvolvimento, e foi desenvolvido em 25 adolescentes e pré-adolescentes e os resultados indicaram o uso efetivo do D-E e DF-E, pois, aram-se dados relevantes sobre os conflitos dos participantes bem como embasaram propostas interventivas eficazes. O projeto deverá prosseguir em 2021. Destaca-se a importância da participação de estudantes de graduação, junto aos da pós-graduação, sendo que todos terão uma experiência muito rica de aprendizado e contato com a comunidade.

Equipe:

Coordenação Leila Salomão de La Plata Cury Tardivo

Walter Trinca, Helena Rinaldi Rosa, Gislaine Chaves, Loraine Ferreira, Malka Alhanat, Joice Domingies, Rita de Cassia Souza e Sá Gleise sales Arias,

17 – SENTIMENTOS E ATITUDES DA CRIANÇA, ADOLESCENTES HOMENS E MULHERES NO ISOLAMENTO SOCIAL EM PERÍODO DA PANDEMIA POR CORONAVÍRUS

Considerando a importância de conhececer os impactos do isolamento e distanciamento e sociais decorrentes da pandemia da COVID 19, na população geral (desde crianças até idosos) foram elaborados questionários distribuidos  online  google forms)  por meio de redes sociais. A pesquisa ampla teve os objetivos gerais de compreender os sentimentos e atitudes da população. Os questionários foram adaptados às idades. Para as crianças composto por imagens ilustrativas (http://br.freepik.com), e adolescentes houve questões dirigidas às atividades escolares online e foi solicitado consentimento dos responsáveis. Para os adultos houve questões sobre atividades profissionais e domiciliares. Os questionários foram respondidos por um total geral de 8.777 no período entre abril e setembro de 2020. Por idade houve: 511 crianças de 4 a 11 anos de idade, com predomínio de meninos (65,2%) e menos meninas (34,8%). Esta foi a unica faixa etária com mais participantes do sexo masculino.  Os questionários foram respondidos por 1500 pré e adolescentes de 11 até 18 anos de idade com predomínio do sexo feminino (74,4%), e a maior parte estudante de escola pública (61,7%).  Participaram 6.023 mulheres e 743 homens de 19 anos até idosos de mais de 80 anos, com predomínio de adultos entre 21 e 50 anos. AA maioria dos participantes em todas as idades foi de São Paulo, porém há respostas de moradores nos distintos estados brasileiros. Como resultados mais relevantes foram observados: Entre crianças a maior parte está com as mães (seguidos por pais e mães); os adolescentes estão na maior parte em família (3 ou 4 pessoas). Entre os adultos, metade dos homens (50,1%) e pouco mais (53,7%) das mulheres tem filhos.  Quanto às atividades: as crianças se dedicam a assistir filmes e desenhos na TV e em seguida, fazer as lições; ficar no celular (os mais velhos) ou brincar na sala. Os adolescentes estudam (80% acompanha as aulas online), e no tempo livre 45,2% assiste filmes e vídeos; 39,2% fala com os amigos; e são estes que mais usam facebook e instagram (86,6%). As mulheres. Além de trabalhar, em sua maioria, desenvolvem atividades domésticas (cozinhar, lavar, etc) ajudam os filhos nas tarefas escolares online; os homens trabalham e também desenvolvem atividades em casa, mas em frequência menor que as mulheres.   Quanto aos sentimentos:  as crianças descrevem alegria em igual proporção a tristeza e cansaço. Nas outras faixas etárias sentimentos mais positivos são menos frequentes. Entre os adolescentes há mais tristeza, em seguida, irritação solidão e medo; bem em níveis mais baixos otimismo e solidariedade. Quanto aos adultos, tanto as mulheres, como os homens apresentam o predomínio do medo. Em seguida vem a irritação para homens e tristeza para as mulheres, e o sentimento mais frequente se inverte na terceira posição: tristeza para homens e irritação para mulheres. Os sentimentos de sobrecarga e solidariedade vem em seguida (4ª posição) para ambos (mais frequente entre as mulheres). A pesquisa apresentou importantes indicativos do estado emocional decorrente dos impactos da pandemia na população geral, o que pode colaborar em estratégias de atenção à saúde mental no cenário durante e na pós-pandemia de Covid-19 no Brasil.

Coordenação Leila Salomão de La Plata Cury Tardivo

Helena Rinaldi Rosa, Gislaine Chaves, Loraine Ferreira, Malka Alhanat, Joice Domingies, Rita de Cassia Souza

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA SAÚDE

18 – PROJETO ACHAR PALAVRA

Parceria com a Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, que tem como objetivo oferecer um espaço de compartilhamento e acompanhamento de experiências de psicólogos hospitalares durante a pandemia COVID-19, por meio da escuta e da oferta de suporte teórico e instrumental, facilitando a compreensão e ampliando as possibilidades de estratégias de cuidado oferecidas tanto aos usuários e seus familiares, quanto aos próprios profissionais de saúde, dando ênfase ao contexto da pandemia do Covid 19. Atendeu até o momento 1172 psicólogos cadastrados.

19 – PROGRAMA AUTOESTIMA DE FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS REDES DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Neste ano de 2020, em função da Pandemia COVID 19, o Instituto de Psicologia foi convidado pela Secretaria de Estado da Saúde a compor a equipe de planejamento e de implantação do ProgramaAutoestima de Formação e qualificação de profissionais das Redes de Atenção Psicossocial do Sistema Único do Estado de São Paulo, por meio de  oito cursos de aperfeiçoamento oferecidos pela Universidade de São Paulo, Pró-Reitoria de Cultura e Extensão, oferecendo 1200 vagas totais, com 400 vagas em cada edição. Este Programa também conta com a realização de um Ciclo de Aulas online em acesso aberto, gravados quinzenalmente com Professores do Instituto de Psicologia e Profissionais da Secretaria de Estado da Saúde. Para tanto, temos as parcerias da UNIVESP, IPT, Fundo Social do Palácio do Governo e SEBRAE-SP.

O Programa Autoestima visa o melhor atendimento à população com sofrimentos mentais e aos que possuem necessidades de tratamento e cuidado específico em saúde mental decorrentes de situações de estresse e/ou crise humanitária, gerada pela COVID-19.

 

O Programa Autoestima foi lançado em outubro de 2020 e encontra-se disponível no site www.autoestima.sp.gov.br

Coordenação Geral: Marilene Proença Rebello de Souza (PSA_IPUSP)

Coordenadores dos Cursos de Aperfeiçoamento: Avelino Luiz Rodrigues (PSC), Helena Rinaldi Rosa (PSA), Henriette Tognetti Penha Morato (PSA), Leila Salomão de La Plata Cury Tardivo (PSC), Maria Lívia Tourinho Moretto (PSC), Pablo de Carvalho Godoy Castanho (PSC) e Marilene Proença Rebello de Souza (PSA)