O programa está organizado em quatro linhas de pesquisa:

 

1. Linha DESENVOLVIMENTO HUMANO E APRENDIZAGEM

 

Ementa: Estudos de aspectos teóricos e empíricos dos processos de aprendizagem, de subjetivação, de desenvolvimento psicológico e neuropsicológico. Os campos investigados são: cognição, afetividade, subjetivação, moralidade, cultura, avaliação e intervenção, neuropsicologia (por professores colaboradores). De um modo geral, temos estudos sobre: o desenvolvimento cognitivo-afetivo-psicológico; os processos de aprendizagem e de solução de problemas; o processo de alfabetização; o desenvolvimento moral e da faculdade de julgamento (ou entendimento); o desenvolvimento da subjetividade como fundamento da constituição do sujeito psicológico (típico e atípico); a identificação de vulnerabilidades e riscos de produção de psicopatologias graves; os aspectos neurológicos do desenvolvimento cognitivo e afetivo. Estão aí presentes diferentes perspectivas teórico-semânticas na elaboração destes problemas e encaminhamentos de suas soluções (a epistemologia genética de Jean Piaget; a psicologia da pessoa de Walllon; a psicologia cognitiva; as neurociências cognitivas; a psicanálise e suas teorias do desenvolvimento emocional; a psicanálise com evidências empíricas), bem como, dependendo do problema, objeto e objetivo a ser alcançado na produção do conhecimento científico, diferentes metodologias (para estudos teóricos, para análises quantitativas e qualitativas em diferentes focos delimitados por “seus objetos de pesquisa associados às perspectivas teóricas”).

Composição:

Docentes Permanentes:

Maria. Thereza C. C. de Souza (Titular) (coordenadora)
Maria Isabel da Silva Leme (Titular)
Rogério Lerner (Associado)
Leopoldo Fulgencio (Associado)
Luciana Maria Caetano (Associada)
Fraulein V. de Paula (Doutora)

Docentes Colaboradores:

Betania Dell´Agli (colaboradora),
Daniel Fuentes (colaborador).

 

2. Linha PSICOLOGIA ESCOLAR, EDUCAÇÃO E POLÍTICAS PÚBLICAS

 

Ementa: Estudos de temas relacionados aos processos de escolarização, de inclusão social e educacional, de medicalização e patologização; à formação de profissionais nos campos da educação, saúde e assistência; à análise e intervenção no âmbito das políticas públicas. Buscando aprofundar questões que são específicas da interface entre psicologia e educação, e considerando as diversas interfaces produzidas neste campo de conhecimento, esta linha assume seu caráter interdisciplinar e seu compromisso ético-político com a realidade brasileira, visando a construção de proposições que contribuam para a melhoria da educação, para a garantia de direitos e justiça social. Entre os trabalhos nesta Linha, destacam-se pesquisas centradas na discussão das políticas públicas que, dentre outros aspectos, subsidiam decisões do gestor público, realizadas em instituições escolares, educacionais, assistenciais, jurídicas, de saúde e saúde mental, de abordagens quantitativa e qualitativa, bem como pesquisas documentais e centradas na dimensão histórica. Podemos destacar os seguintes eixos de pesquisa, agrupando os projetos de pesquisa: 1. Educação Básica, Educação Superior, Psicologia, Políticas Públicas e Intersetorialidade; 2. Formação e Atuação de Profissionais e Políticas Públicas; 3. Inclusão, Medicalização, Educação Especial e Políticas Públicas; 4. Infância, Juventude e Políticas Públicas; 5. Psicologia Escolar, Cultura e Garantia de Direitos. A linha desenvolve pesquisas sobre: a escrita e os processos de construção de narrativas, no ensino e na pesquisa; os ambientes inclusivos nas instituições; as políticas educacionais; o processo de implementação do programa de prevenção ao uso de drogas Ministério da Saúde; o processo de implementação do Programa ELOS – Construindo Coletivos para a redução da agressividade em crianças do 1º ao 4º ano do ensino fundamental; as políticas públicas de educação e saúde e educação para o enfrentamento dos problemas de escolarização; os processos de escolarização e a atividade profissional da educação. Estão aí presentes diferentes perspectivas teórico-semânticas na elaboração destes problemas e encaminhamentos de suas soluções (a psicologia histórico-cultural com referência a Vygotsky; a Filosofia da Diferença e a Esquizoanálise de Deleuze e Guattari; a psicologia comportamental; Escola de Frankfurt e a psicanálise winnicottiana), bem como, dependendo do problema, objeto e objetivo a ser alcançado na produção do conhecimento científico, diferentes metodologias (para estudos teóricos, para análises quantitativas e qualitativas em diferentes focos delimitados por “seus objetos de pesquisa associados às perspectivas teóricas”).

Composição:

Docentes Permanentes:

Marilene Proença (Titular) (coordenadora)
Marie Claire Sekkel (Associada)
Marcia Helena da S. Mello Bertola (Associada),
Adriana M. Machado (Doutora)

 

3. Linha INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS E FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO

 

Ementa: Desenvolve-se, neste grupo, pesquisas sobre os determinantes do Desenvolvimento no âmbito das relações sociais, para além daquelas tradicionalmente associadas a fatores psíquicos como a cognição, o afeto, a aprendizagem de comportamentos (é essa extensão que responde pela escolha temática de conceitos como os de instituição e sociedade, e seus efeitos na e para a constituição de subjetividades). Compreende estudos teóricos e empíricos sobre os processos de formação do indivíduo e constituição do sujeito, mediados por instituições sociais como a escola, a família, os meios de comunicação, entre outros. Engloba pesquisas sobre a formação da consciência, os modos de subjetivação, as formas de justificação ideológicas, a memória social, política e cultural, bem como sobre a militância política e outras formas de resistência. Esses estudos visam compreender, elaborar teórica e conceitualmente, além de propor ações no sentido da garantia de direitos, superação de desigualdades e preconceitos com relação à experiência e ao convívio com diferenças significativas relacionadas à cultura, à classe social, ao gênero, à raça, à religião e aos entrecruzamentos dessas dimensões da existência. Espera-se ainda que contribuam para a compreensão e elaboração de concepções e práticas democráticas, inclusivas e pluralistas nos âmbitos psíquico, institucional e social. De um modo geral, temos estudos sobre: desenvolvimento da constituição do sujeito, e das capacidades de simbolização, especialmente consideradas nas suas relações com as influências e determinação sociais-institucionais; desenvolvimento; as Políticas Públicas de saúde; da compreensão da Sociedade e da formação dos indivíduos; dos processos inconscientes associados à vida grupal e social; da questão da violência na e das instituições; do lugar sobre o funcionamento das instituições escolares e a compreensão da situação dos imigrantes; dos processos de subjetivação do ponto de vista de Psicologia Analítica, aplicados à compreensão dos diversos contextos da Realidade Brasileira; da questão da morte, como fenômenos pessoal, social e institucional; dos aspectos existenciais da formação dos profissionais de Saúde e Educação; e da compreensão metapsicológica, psicanalítica, da subjetividade pessoal e grupal. Neste contexto temos pesquisas sobre: o desenvolvimento da constituição do sujeito e das capacidades de simbolização, especialmente consideradas nas suas relações com as influências e determinação sociais-institucionais; as Políticas Públicas de saúde; a compreensão da Sociedade e da formação dos indivíduos; os processos inconscientes associados à vida grupal e social; a questão da violência na e das instituições; o lugar do funcionamento das instituições escolares e a compreensão da situação dos imigrantes; os processos de subjetivação do ponto de vista de Psicologia Analítica, aplicados à compreensão dos diversos contextos da Realidade Brasileira; a questão da morte, como fenômeno pessoal, social e institucional; os aspectos existenciais da formação dos profissionais de Saúde e Educação; a compreensão metapsicológica, psicanalítica, da subjetividade pessoal e grupal. Estão aí presentes diferentes perspectivas teórico-semânticas na elaboração destes problemas e encaminhamentos de suas soluções (a Análise Institucional do Discurso; a Teoria Crítica; a Fenomenologia; a Psicologia Analítica), bem como, dependendo do problema, objeto e objetivo a ser alcançado na produção do conhecimento científico, diferentes metodologias (para estudos teóricos, para análises quantitativas e qualitativas em diferentes focos delimitados por “seus objetos de pesquisa associados às perspectivas teóricas”).

Composição:

Docentes Permanentes:

Marlene Guirado (coordenadora)
Lineu Norio Kohatsu (coordenador),
Pedro Fernando da Silva (Doutor),
Henriette T. P. Morato (Associada, Aposentada)
Maria Julia Kovács (Associada, Aposentada)

Docentes colaboradores:

Luisa Sandoval Schmidt (Titular, Aposentada)
Laura Villares de Freitas (Associada, Aposentada)
Ronilda Ribeiro (Doutora, Aposentada)

 

4. Linha PSICANÁLISE E POLÍTICA: CULTURA E DESENVOLVIMENTO HUMANO

 

Ementa: Esta linha pretende criar condições para a realização de um espectro de produções, na rede de articulação entre pesquisa, ensino e extensão, alojadas no campo delimitado pela definição de “desenvolvimento humano”, na perspectiva teórico-metodológica da psicanálise, práticas inclusivas na perspectiva da Educação Terapêutica, em que se destaca a questão da prevenção precoce de problemas de desenvolvimento; no campo dos direitos humanos; na área da saúde pública; no âmbito das políticas para refugiados; na temática do direito à memória; nas peculiaridades das experiências do exílio; nas investigações implicadas nos estudos sobre a memória, a angústia, o desamparo e a sublimação, no âmbito propriamente metapsicológico, em articulação com questões com outras áreas do conhecimento e outros saberes, no sentido de aprofundar o alcance contextos, tem sido possível explicitar o alcance dos desdobramentos da clínica e dos dispositivos assim nomeados como clínica extensa, clínica social, psicanálise ampliada e psicanálise implicada. Tais investigações, inseridas no campo complexo das variadas modalidades de elementos que compõem a dinâmica do “desenvolvimento humano”, permitem problematizar as peculiaridades da construção dos laços sociais na contemporaneidade, a exacerbação das expressões da violência, em seus aspectos sociais e subjetivos e as modalidades de resistência e enfrentamento dos sujeitos, em função das dimensões coletivas do traumático, do desamparo e da violação de direitos. O que se pretende demonstrar é que esse repertório conceitual em que se funda a ética da psicanálise viabiliza o acesso à heterogeneidade do campo social e cultural, cuja mobilização ao tensionamento dos laços sociais, permite recortar como objeto de investigação a dinâmica de contraposição entre razão e crença, entre saber e verdade, subjacentes às diferentes formações culturais e religiosas, que nos conduzem aos meandros da necessidade de saber e da necessidade de crer.

Composição:

Professores permanentes:

Ana Maria Loffredo (Coordenadora) (Associada),
Paulo Cesar Endo (Associado),
Maria Cristina Machado Kupfer (Associada, Aposentada)
Miriam Debieux Rosa (Titular).